Partos Normais: Estabelecimentos de Saúde na Bahia realizaram 55% dos partos normais

Segundo dados da Superintendência de Vigilância em Saúde da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia, com última atualização datada de 02/01/2019, foram realizados nos 417 estabelecimentos de Saúde da Bahia 181.963 partos, sendo 100.441 partos normais, o que representa 55% do total, e 81.522 partos cesáreos que representam 45%. Esses números estão melhores que a média nacional, onde, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) no Brasil, 55% dos partos são cesáreos.

Vinte dos maiores estabelecimentos de Saúde realizaram 41% do total de partos na Bahia, com destaque para o Hospital Inácia Pinto dos Santos de Feira de Santana que realizou 6.956 partos, superando as maternidades, Professor José Maria de Magalhães Neto (6.466), Albert Sabin (5.455) e a Tsylla Balbino (com 4.367 partos).

Também entre os cinquenta maiores estabelecimentos de saúde, que realizaram acima de mil partos em 2018 na Bahia, estão o Hospital Maternidade Dr. João Carlos Meireles Paulilo de Alagoinhas que se destaca realizando 79% dos partos normais, seguido do Hospital Materno Infantil de Juazeiro com 77%; e o Hospital Geral de Camaçari, o Hospital Municipal de Simões Filho e o Hospital São Marcelo em Antas, todos três com 75% dos partos normais.

Em sentido inverso estão dois Hospitais de Feira de Santana, o EMEC com 93% dos partos cesáreos, seguido do AMIGO Ltda com 92%, o Hospital São Vicente de Paulo de Vitória da Conquista com 90%, o Hospital Santo Amaro ( 89%) e o Hospital Aliança com 88%.

Dos 417 estabelecimentos de saúde que realizaram partos na Bahia em 2018, o Hospital de Amargosa ficou em 108º lugar, realizando 62,5% dos partos normais e 37,5% dos partos cesáreos.

Segundo artigo do Blog do Dr. Alexandre Faisal datado do dia 07/01, o índice de morte materna em casos não-complicados é de 20,6 a cada 1000 cesáreas. Por outro lado, ocorrem 1,7 mortes para 1000 nascimentos por meio de parto normal.

Em 2010, o MPF (Ministério Público Federal) pediu a regulamentação dos serviços obstétricos realizados por hospitais privados no país, onde a taxa de cesáreas chega a 90%.

Fonte: SESAB/SUVISA/DIS/SINASC – Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos

https://dralexandrefaisal.blogosfera.uol.com.br/2019/01/07/indice-de-cesarianas-no-brasil-vira-caso-de-justica/